Ame o que você faz!

Há alguns dias minha mãe estava assistindo a um vídeo do Professor Clóvis de Barros (aqui em casa somos todos fãs dele) e eu me lembrei da primeira vez em que assisti a uma entrevista com ele no programa do Jô Soares.

Na época, eu ainda era advogada e quando o ouvi falando sobre a ALEGRIA que sentia toda vez que dava uma aula, pensei: é… isso não é para mim! Eu nunca vou me alegrar desse jeito com a minha profissão!

Eu tinha um emprego estável no serviço público, todo dia 30 recebia um salário razoável e não detestava o que eu fazia, apenas não amava. Eu era uma profissional mediana. Você já se sentiu assim?

Me lembrei agora da expressão “não fede, nem cheira”. Era exatamente assim que eu me sentia quando estava no meu trabalho: não fedia, nem cheirava. Hahaha

Depois que eu descobri que a minha verdadeira paixão era trabalhar com coaching e ajudar as pessoas a se relacionarem melhor, TUDO MUDOU! Hoje eu entendo o que aquele professor com cara de maluco estava dizendo com tanta convicção naquele vídeo! ;o))))

Depois que eu descobri minha vocação, eu entendi que quando uma pessoa faz o que ama é fácil ela se destacar no que está fazendo e, quando uma pessoa se destaca na sua profissão, ela não precisa mais se preocupar com o dinheiro fixo no final do mês.

Hoje, para mim, tanto faz é sábado ou segunda-feira, pois EU AMO O MEU TRABALHO!

Senti uma enorme gratidão pelo dia em que assisti ao vídeo do Clóvis de Barros e percebi que tinha algo errado com a minha vida profissional, pois foi a primeira vez em que refleti sobre isso.

Faço questão de compartilhar esse vídeo, pois pode ser que você também esteja na situação em que eu estava quando o assisti (clique na imagem):

clovis-de-barros-filho

Os vídeos do Clóvis me inspiram muito! Espero que esse tenha inspirado você também… ;o)

Com carinho,

Dani Teixeira

PS: Gostou do artigo? Receba dicas exclusivas sobre coaching se cadastrando gratuitamente em minha LISTA VIP:

Botão Facebook

3 Comentários


  1. Dani, eu me sinto exatamente assim com relação a minha profissão, os poucos momentos que tive vinculados ao coaching são desses q como diz o prof Clóvis não quero que acabe mais. Para trás nem para pegar impulso! GRATIDÃO, q vc viva para sempre nessa bolha de gratidão.

    Responder

    1. Que liiiiiindo, Rute!

      Gratidão por compartilhar esse sentimento comigo e aumentar ainda mais a minha bolha da gratidão!

      Desejo que tenha uma linda semana!

      Beijos

      Responder

  2. Olá sou Elisangela estou interessada em ser um coach… mas quero entender…

    Responder

Deixe seu comentário...